CAPÍTULO I

DA DENOMINAÇÃO, DO CONCEITO E DAS FINALIDADES

Art. 1º. O Núcleo de Extensão do Centro Universitário Padre Albino - UNIFIPA, doravante denominado NEXT, através de suas diretrizes, visa oferecer educação continuada a acadêmicos, profissionais e gestores atuantes nas organizações, bem como, promover atividades que propiciem o desenvolvimento profissional e humano às pessoas com necessidades sociais emergentes.

Parágrafo único. O NEXT é constituído pelos coordenadores de extensão de cada curso, indicados pelos respectivos coordenadores de cursos, e presidido pelo coordenador do Núcleo de Extensão, indicado pelo Diretor da UNIFIPA, todos com mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos.

Art. 2º. Define-se como extensão a integração do processo educativo, cultural e científico articulado ao ensino e à pesquisa que, de forma indissociável, possibilita a interação sistematizada entre comunidade acadêmica e sociedade.

  • 1º. O produto desta ação interdisciplinar é a visão globalizada do social, instrumento indispensável para elaboração da prática do conhecimento acadêmico vinculado à reflexão teórica.
  • 2º. Com relação de mutualidade, a população com necessidades sociais emergentes beneficia-se da aplicação do saber da comunidade acadêmica, e esta, por sua vez, através da obtenção do conhecimento da realidade, encontra subsídios para a construção do conhecimento, sobretudo, da sua adequação para o desenvolvimento social.

 

CAPÍTULO II

DOS EIXOS TEMÁTICOS

Seção I

Da Responsabilidade Social

 

Art. 3º. Constituem-se ações de responsabilidade social:

  1. Propiciar atividades teóricas e práticas que visem a preservação e a sustentabilidade do meio ambiente;
  2. Oferecer atividades de qualificação básica e instrumental de informática, administrativa e desenvolvimento comportamental para adultos, jovens e crianças que permitirão sua inserção ou reinserção no mercado de trabalho, atual e futuro;

III.               Estimular as atividades que contribuam para a valorização de pessoas com necessidades especiais;

  1. Viabilizar atividades artísticas e culturais, valorizando o patrimônio artístico e cultural, local e regional;
  2. Criar condições para a preservação da saúde e melhoria da qualidade de vida de sua comunidade acadêmica;
  3. Prestar serviços assistenciais ao indivíduo e à comunidade;

VII.             Oferecer atividades de educação que visem à promoção da saúde, prevenção de doenças e reabilitação em nível individual e coletivo; e

VIII.            Desenvolver atividades que visem à integralidade da assistência, bem como a interdisciplinaridade.

 

Seção II

Da Capacitação Científico-tecnológica

 

Art. 4º. Constituem-se ações de capacitação científico-tecnológica:

  1. Possibilitar meios de aprofundamento de conteúdos e novas bases tecnológicas, permitindo à comunidade interna e à sociedade o acesso ao saber na busca da plena formação do indivíduo e das organizações;
  2. Prestar às organizações locais e regionais, serviços de consultorias, de assessorias e de treinamento, de forma contínua, visando sua atualização, competitividade e desenvolvimento;

III.               Aprimorar a qualidade de ensino através de atividades de formação continuada de seus docentes e funcionários, atendendo as exigências da realidade; e

  1. Integrar interinstitucionalmente através de projeto de extensão comum, objetivando o desenvolvimento do ser humano.

 

Seção III

Da Comunicação da Produção Acadêmica

 

Art. 5º. Constituem-se ações de comunicação da produção acadêmica:

  1. Criar meios de publicações que visem tornar o conhecimento produzido na instituição acessível à sociedade;
  2. Desenvolver estudos e pesquisas visando o aprimoramento do conhecimento e de processos e a divulgação dos mesmos.

 

CAPÍTULO III

DOS ATORES E DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Seção I

Dos Atores

 

Art. 6º. As atividades de extensão serão desenvolvidas por docentes vinculados à instituição ou por professores/profissionais convidados, financiadas pela própria instituição ou por parcerias com a iniciativa privada ou pública.

 

Seção II

Dos Tipos de Atividades de Extensão

 

Art. 7º. São considerados como extensão os seguintes tipos de atividades:

  1. Eventos culturais e científicos, como palestras, visitas de estudo programadas, painéis, oficinas, simpósios, seminários; de lazer, desportivos ou outros que tenham como finalidade oferecer meios para a comunidade e a sociedade conhecer os bens científicos, culturais e técnicos disponíveis e deles usufruir, para os quais haverá controles de participação e, quando necessário, emissão de declarações. (Ver Quadro 1: Classificação de ações de extensão definidas como evento).
  2. Cursos, configurados como conjunto de ações de atualização científica, de aperfeiçoamento profissional, de ampliação cultural, de ampliação da formação universitária e outros, com carga horária mínima de 8 horas, executado na forma presencial, semi-presencial ou à distância, para os quais haverá controle de assiduidade, avaliações e emissão de certificados devidamente registrados pela instituição. (Ver quadro 2:Classificação de ações de extensão definidas como curso).

III.               Programas, conjunto articulado de projetos e outras atividades de extensão (cursos, eventos, prestação de serviços) de caráter orgânico-institucional, com clareza de diretrizes e orientadas a um objetivo comum em uma grande ação de médio a longo prazo.

  1. Projetos, caracterizados como conjunto de ações de caráter educativo, científico ou tecnológico com objetivos e prazos de execução definidos em propostas específicas, executados presencialmente, semi-presencial ou à distância, para os quais serão elaborados controles de assiduidade, avaliações e emitidos certificados devidamente registrados pela instituição. (ver Quadro 3 – Classificação de ações de extensão definidas como projeto)
  2. Prestação de serviços, caracterizados como serviços assistenciais, de consultoria ou assessoria que se destinam direta ou indiretamente a atender às demandas das organizações e da sociedade local e regional, realizados através da instituição, registrados conforme estatuto vigente e normas estabelecidas pela instituição. (ver Quadro 4 – Classificação de ações de extensão definidas como prestação de serviços)
  3. Publicações e outros produtos acadêmicos, caracterizados como ações de extensão que visam à difusão do conhecimento cultural, científico e tecnológico. (Ver Quadro 5: Classificação de ações de extensão definidas como publicações e outros produtos acadêmicos)

 

CAPÍTULO IV

DAS ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DO NEXT

 

Art. 8º. São atribuições do Coordenador do NEXT:

  1. Receber projetos, outras propostas de atividades extensionistas e relatórios dentro do prazo e conforme modelo pré-estabelecido pelo núcleo;
  2. Apresentar pareceres conforme critérios de avaliação pré-estabelecidos pelo núcleo;

III.               Solicitar revisões e outros esclarecimentos referentes a projetos e propostas de atividades extensionistas à Coordenação de Extensão de Curso, caso sejam necessários;

  1. Encaminhar projetos e demais propostas de atividades de extensão aprovadas à apreciação do Núcleo Gestor das Faculdades Integradas, possibilitando a tramitação do processo para a aprovação de recursos financeiros.

Art. 9º. São atribuições do Coordenador de Extensão de Curso:

  1. Estabelecer prazos anuais para entrega de projetos e demais propostas de atividades de extensão e que estes não ultrapassem o prazo-limite pré-estabelecido pelo NEXT;
  2. Receber projetos, outras propostas de atividades extensionistas e relatórios dentro do prazo e conforme modelo pré-estabelecido pelo NEXT;

III.               Avaliar os projetos, demais propostas e relatórios em tempo hábil e solicitar revisões e esclarecimentos dos ou sobre os mesmos quando necessário;

  1. Encaminhar projetos, demais propostas de ações de extensão, relatórios gerais e cronogramas de eventos ao NEXT dentro do prazo-limite determinado pelo Núcleo.

Art. 10. São atribuições do docente responsável por projetos e organizadores de outras atividades extensionistas pretendidas, elaborar projetos, propostas de eventos, outras atividades, bem como relatórios conforme modelos-padrão, entregando-os dentro do prazo estabelecido pelo NEXT.

CAPÍTULO V

DOS PRAZOS

 Art. 11. Projetos, outras propostas de ações extensionistas e relatórios deverão ser entregues dentro dos prazos limites estabelecidos pelo NEXT, exceto na vigência de prorrogação, ou quando se tratar de palestras isoladas ou outros projetos ou eventos com custos que independam do investimento anual do NEXT.

 

CAPÍTULO VI

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 12. Este regulamento entra em vigor a partir desta data, com sua aprovação pela Congregação.

Catanduva, 22 de dezembro de 2008.

Dr. Nelson Jimenes

Diretor Geral da UNIFIPA

bcurso direito


R. do Seminário, 281 - São Francisco
Cep: 15806-310 - Catanduva / SP
(17) 3311-4800

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ALBINO - UNIFIPA

Main Menu